Álcool e Diabetes

Conheça os efeitos do álcool no risco de desenvolver diabetes, bem como na saúde de quem já tem a doença.

O que acontece quando você bebe e qual a relação com a diabetes?

O álcool atua no fígado, que é o órgão responsável por liberar a glicose (açúcar) para a corrente sanguínea entre as refeições e enquanto você dorme, justamente para evitar uma hipoglicemia (baixo nível de glicose no sangue). Quando você bebe, interrompe-se o processo de liberação dos estoques de glicose pelo fígado, podendo gerar uma hipoglicemia.

Na diabetes mellitus (DM) pode ocorrer dois tipos de alterações fisiológicas: a produção de insulina é insuficiente para manter o nível correto de açúcar no sangue e/ou o corpo não consegue usar a insulina adequadamente. Como resultado, a pessoa pode apresentar um nível muito alto de açúcar no sangue (hiperglicemia), que pode causar sérios problemas, como doenças vasculares, renais e de visão, podendo chegar à cegueira.

Potencial efeito protetor do consumo leve a moderado de álcool?

Alguns estudos sugerem que o consumo leve a moderado de álcool pode diminuir o risco de DM  tipo 2 devido a uma melhora da sensibilidade à insulina1,2. Segundo a revisão feita pela Organização Mundial da Saúde (OMS)3, este padrão de consumo leve a moderado teve um efeito protetor que preveniu 25 mil mortes por DM, bem como reduziu a carga global por diabetes. No entanto, é importante ressaltar que o consumo pesado de álcool prejudica o equilíbrio no metabolismo da glicose e leva ao desenvolvimento de resistência à insulina, resultando em aumento de risco para DM.

Portadores de diabetes mellitus podem beber?

Caso você seja portador de DM, pode pensar que o consumo de álcool é proibido. Mas, não é! Claro, é preciso ter cuidados quanto à quantidade e às bebidas que você consome para que possa beber com segurança, evitando armadilhas relacionadas ao álcool, como hipoglicemia, ganho de peso e pressão alta. Vale ainda destacar que deve ter mais de 18 anos e estar fora das condições de álcool zero!

American Diabetes Association (ADA) recomenda os seguintes questionamentos antes do consumo de álcool:

1) Minha diabetes está controlada?

2) Meus médicos concordam que eu posso beber álcool?

3) Sei como o álcool pode afetar minha glicemia? Se tiver hipoglicemia, sei identificar e tratar?

Se você respondeu “sim” para as três perguntas, é provável que possa consumir bebidas alcoólicas de forma leve a moderada. Porém, certifique-se de conhecer os efeitos potenciais da bebida, seus limites pessoais e sempre siga a recomendação de seu médico.

 

Cuidados com a hipoglicemia

Beber pode afetar o nível glicêmico no sangue por até 12 horas. Alguns sintomas característicos do baixo nível de glicose no sangue se assemelham aos efeitos do álcool, por isso pode ser que você não perceba uma possível hipoglicemia logo após o consumo de bebidas alcoólicas. Os sintomas comuns de hipoglicemia e consumo de etílicos são tontura, confusão mental e sonolência.

Portanto, se você ingeriu bebidas alcoólicas, teste sua glicemia antes de dormir. Se o nível de glicose estiver abaixo de 100 mg/dL, faça um lanche para normalizá-la. Além disso, você pode prevenir uma hipoglicemia fazendo uma refeição leve que contenha carboidratos antes e depois de beber, como cereal, leite, iogurte, uma maçã ou meio sanduíche.

Quais são as melhores opções de bebida?

A ADA recomenda que pessoas portadoras de DM não consumam mais que 1 dose* por dia para mulheres e até 2 doses por dia para homens. Cervejas leves ou vinhos secos são boas escolhas nesse contexto por apresentarem menor teor alcoólico e menos calorias. Se você preferir drinks ou coquetéis, use refrigerantes diet, água sem ou com gás como opções. Evite bebidas com alto teor de açúcar, como vinhos doces e bebidas açucaradas (como pina colada). Se você conta calorias, não troque uma refeição pelo álcool.

Quando evitar o consumo de álcool

Se você possuir complicações da DM, é preciso atenção. O álcool pode piorar a neuropatia diabética, retinopatia diabética, pressão arterial mal controlada, triglicerídeos em valores elevado e danos aos rins. Além disso, alguns medicamentos para DM, como as sulfonilureias (usadas para controlar o DM tipo 2), podem interagir com o álcool e causar reações adversas, como rubor facial extremo ou náuseas.

DICAS IMPORTANTES

  • Limite-se a, no máximo, 1 dose por dia para mulheres e 2 doses por dia para homens, caso seu médico autorize o consumo de bebidas alcoólicas;
  • Escolha bebidas de baixo teor calórico e controle a quantidade de carboidrato ingerida;
  • Informe seu médico sobre o padrão do consumo de álcool;
  • Sempre faça uma refeição ou lanche antes e depois de beber para evitar hipoglicemia4;
  • Após beber é importante medir a glicemia, especialmente antes de dormir;
  • Nunca substitua uma refeição pelo consumo de álcool.

 

*Uma dose padrão equivale a 14 g de álcool puro, o que corresponde a 350 mL de cerveja (5% de álcool), 150 mL de vinho (12% de álcool) ou 45 mL de destilado (vodca, uísque, cachaça, gin, tequila, com 40% de álcool).

 

  • Referências:
    1. Schrieks IC, Heil ALJ, Hendriks HFJ, Mukamal KJ, Beulens JWJ. The Effect of alcohol consumption on insulin sensitivity and glycemic status: A systematic review and meta-analysis of intervention studies. Diabetes Care. 2015 Apr 1;38(4):723–32.
    2. Kim SJ, Kim DJ. Alcoholism and diabetes mellitus. Vol. 36, Diabetes and Metabolism Journal. Diabetes Metab J; 2012. p. 108–15.
    3. OMS. Global status report on alcohol and health 2018. Genebra: Organização Mundial da Saúde; 2018. 2018. 478 p.
    4. Pastor A, Conn J, MacIsaac RJ, Bonomo Y. Alcohol and illicit drug use in people with diabetes. Vol. 8, The Lancet Diabetes and Endocrinology. Lancet Publishing Group; 2020. p. 239–48.

Fonte:CISA – Centro de Informações Sobre Saúde e Álcool