Linha 132 do Narcóticos Anônimos atende quase 25 mil ligações em oito meses

Serviço reforça parceria do Governo Federal com entidades da sociedade civil para realizar ações no enfrentamento às drogas

Resultado de um Acordo de Cooperação Técnica entre o Ministério da Cidadania e o Narcóticos Anônimos, a Linha 132, de atendimento direto à população, totalizou 24,7 mil ligações entre maio e dezembro de 2021.

Essa parceria é muito importante para integrar ações no caminho do tratamento e recuperação da dependência química por meio de serviços de utilidade pública. Dentro da Nova Política Nacional de Drogas, envolver e fortalecer o trabalho realizado pelas entidades da sociedade civil é uma das nossas prioridades”

Quirino Cordeiro, secretário nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas do Ministério da Cidadania

Por meio da ação, a população de todo o país pode ligar gratuitamente para o Narcóticos Anônimos e obter orientações e informações sobre serviços prestados e caminhos para a recuperação de problemas decorrentes do uso de drogas. O serviço funciona 24h, sete dias por semana e conta com 78 plantonistas.

De acordo com o balanço realizado pelo Narcóticos Anônimos, a duração média das chamadas foi de 1min29s, mas houve ligações de até 1h52min. No total, o serviço acumulou 613 horas de atendimento à população nesse período de oito meses.

“Essa parceria é muito importante para integrar ações no caminho do tratamento e recuperação da dependência química por meio de serviços de utilidade pública”, afirmou Quirino Cordeiro, secretário nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas do Ministério da Cidadania. “Dentro da Nova Política Nacional de Drogas, envolver e fortalecer o trabalho realizado pelas entidades da sociedade civil é uma das nossas prioridades”, completou.

Segundo o gráfico traçado dos atendimentos, as horas com maior demanda de procura do serviço são entre 9h e 15h. O DDD mais frequente nas chamadas é o 11, da cidade de São Paulo, com mais de 6.800 ligações registradas. Ao todo, houve registros de chamadas de 67 DDDs.

Quase metade das pessoas que fizeram ligações são conectadas a alguma unidade dos Narcóticos Anônimos (49,3%). Outros 29,4% são dependentes químicos em potencial (29%) e familiares de pessoas com dependência em busca de canais de atendimento e acolhimento (16,5%).

As conversas resultaram em encaminhamentos a grupos presenciais, a reuniões virtuais, a sites especializados e a reuniões abertas e serviços de outras entidades que trabalham com a questão dos cuidados e prevenção às drogas. O acordo de cooperação tem duração de dois anos, com possibilidade de prorrogação, e não prevê transferências de recurso financeiro entre as partes.

Conceito

A Nova Política Nacional sobre Drogas diferencia usuário e traficantes. Prevê ações de endurecimento contra o narcotráfico. Tem foco na abstinência, posição contrária à legalização e ações tanto no tratamento de dependentes químicos quanto voltadas para a família.

O modelo aposta na interligação da rede de assistência, que envolve dezenas de instituições e entidades federais, estaduais e municipais, como Unidades Básicas de Saúde, Ambulatórios, CAPS, comunidades terapêuticas, hospitais gerais, hospitais psiquiátricos, clínicas especializadas, casas de apoio e grupos de mútua ajuda, entre outros.

Diretoria de Comunicação – Ministério da Cidadania
Fonte:UNIAD – Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas